A lepra no Ceará e no Espírito Santo (1920-1940): olhares e reflexões

Autores

  • Sebastião Pimentel Franco Universidade Federal do Espírito Santo
  • Zilda Maria Menezes Lima Universidade Estadual do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2021320101

Palavras-chave:

Leprosário de Canafístula, Leprosário de Itanhenga, Lepra, Ceará, Espírito Santo

Resumo

Este ensaio pretende estabelecer alguns níveis de compreensão acerca do combate à lepra nos estados do Ceará e do Espírito Santo, a partir das ações impetradas por grupos filantrópicos bem como por poderes e saberes nacionais e locais. Nosso objetivo é propor uma reflexão que possibilite algum entendimento nos modos como os dois estados em tela, assimilaram e puseram em prática tais ações, principalmente, no período situado entre as décadas de 1920 e 1940. Afirmarmos que as ações caritativas da sociedade cearense foram muito importantes na implementação do isolamento compulsório com pouca intervenção estatal; já no Espírito Santo foi fundamental a ação dos poderes instituídos na implementação de políticas públicas no combate à doença, embora registremos a também importância da sociedade por meio das camadas mais endinheiradas, que atuando em conjunto com o Estado, buscaram alternativas para apoiar muitas vezes financeiramente o projeto de saneamento da lepra. Embora a política pública de Estado em relação a lepra chegasse aos estados da Federação de forma uniforme, detectamos similitudes, mas também diferenças em como se deu a criação dos leprosários e de como esses funcionaram no Ceará e no Espírito Santo. Utilizamos como fontes, periódicos do Ceará e do Espírito Santo, Relatórios administrativos da direção dos leprosários, Relatório de Presidentes de Província, Correspondências recebidas pela administração dos leprosários, relatório de atividades do Serviço de Lepra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

BOLETIM COMEMORATIVO DAS BODAS DE PRATA DA COLÔNIA DA CANAFÍSTULA, Fortaleza, 1953.

COLÔNIA DE ITANHENGA. Relatório, 1946. Cariacica, 1946.

CONTINENTINO, Lincoln. Organização de Leprosários. Arquivos Capanema Rio de Janeiro, S.d.

Correio do Ceará, Fortaleza/CE, anos indicados.

Diário do Ceará, Fortaleza/CE, anos indicados.

Diário da Manhã, Vitória/ES, anos indicados ESPÍRITO SANTO. Relatório apresentado a Assembleia Legislativa da Província do Espírito Santo em sua sessão ordinária em 08 de março de 1881 pelo presidente Marcelino de Assis Tostes. Vitória: Tipografia da Victoria. 1881.

MENDONÇA, Moacyr Henriques de. Correspondência ao Diretor do Departamento Estadual de Saúde no ES. [1959?].

O Nordeste, Fortaleza/CE, anos indicados.

Revista Ceará Médico (Academia Cearense de Medicina). Fortaleza/CE, anos indicados.

Regimento do Departamento Nacional de Saúde – Profilaxia Especial da Lepra, Rio de Janeiro, 1923.

SERVIÇO DE LEPRA (Espírito Santo). Relatório Atividades, 1950. Vitória, 1950.

SOUZA-ARAUJO, Heráclides César de. Contribuição á Epidemiologia e Prophylaxia da Leprano Norte do Brasil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 27, n. 3, p. 165-337, set.1933. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S007402761933000300001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 5 mar. 2021.

SOUZA-ARAUJO, Heráclides César de. A lepra no Espírito Santo e a sua prophylaxia: a "Colonia de Itanhenga" -Leprosario modelo. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 32, n. 4, p. 551-605, 1937. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S007402761937000400008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 5 mar. De 2021

SERVIÇO NACIONAL DE LEPRA. Relatório de suas atividades no ano de 1943. Apresentado pelo Dr. Ernani Agrícola. Pasta GCh 1935.09.02. Disponível em: <https://www.docvirt.com/docreader.net/arq.gc.h/10556>. Acesso em 20 de mar. 2021.

Obras Gerais

ARAÙJO, Tania Maria de. Vivos no campo do esquecimento: lepra e isolamento compulsório no Espírito Santo (1937-1962). Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2020.

CABRAL, Dilma. Lepra, medicina e políticas de saúde no Brasil (1894-1934). Rio de Janeiro: Editoras Fiocruz, 2013.

CYPRESTE, Dora Martins; VIEIRA, Alda. Hospital Dr. Pedro Fontes, antiga Colônia de Itanhenga: hanseníase: do isolamento compulsório à ressocialização. Vitória: SECULT, 2014.

CUNHA, Vivian da Silva. O isolamento compulsório em questão: políticas de combate à lepra no Brasil (1920 – 1941). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2005.

FRANCO, Sebastião Pimentel; SILVA, Simone Santos de Almeida. Os depoimentos e o cotidiano da Colônia de Itanhenga no Espírito Santo: apontamentos iniciais. In: MAGALHÃES, Sonia Maria de; SILVA, Leicy Francisca da; MACIEL, Roseli Martins Tristão (Org.). História de doenças; percepções, conhecimentos e práticas. São Paulo: Alameda, 2017.

FRANCO, Sebastião Pimentel; BARROS, Luiz Arthur Azevedo. A lepra no Espírito Santo: de fagueira ilusão à Colônia de Itanhenga. Dimensões, Vitória, v. 34, p. 228-254, 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.ufes.br/dimensoes/article/view/11117/7764>. Acesso em: 3 de mar. De 2021.

FRANCO, Sebastião Pimentel; NOGUEIRA, André; MARLOW, Sérgio Luiz. A Colônia de Itanhenga (Espírito Santo): edificação e vida em (mais) um leprosário brasileiro. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; NASCIMENTO, Dilene Raimundo do; SILVEIRA, Anny Jackeline Torres (Org.). Uma história brasileira das doenças. Belo Horizonte: Fino Traço, 2017. p. 295-323. v. 7.

JUCÁ, Gisafran Nazareno Mota; LIMA, Zilda Maria Menezes. Uma História Social da Lepra no Ceará. Fortaleza, EDUECE, 2016.

LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. In: MAIO, Marcos Chor, SANTOS, Ricardo Ventura (org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, Centro Cultural Banco do Brasil, 1996, p. 23-49.

LIMA, Zilda Maria Menezes. Uma enfermidade à flor da pele: a lepra em Fortaleza. Museu do Ceará/SECULT, Fortaleza, 2009.

LIMA, Zilda Maria Menezes. “O Grande Polvo de Mil Tentáculos”: a lepra em Fortaleza (1920-1942). Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2007.

LINS, André Bezerra. Dos pavilhões isolados “tipo Carville” de habitação coletiva em hospitais colônias no Brasil do século XIX, a racionalização projetual de “Micro cidades”: revolução arquiteturial modernista de Luis Nunes no século XX. Disponível em https://www.researcgate.net/publication/337811059. Acesso em: 17 de mar. De 2021

MACIEL, Laurinda Rosa. “Em proveito dos sãos, perde o lázaro a liberdade”: uma história das políticas públicas de combate à lepra no Brasil (1941-1962). Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.

MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura (Org.). Raça, ciência e sociedade, v. 1, Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1996.

MANINI, Marli Penteado. A evolução terapêutica. In: MONTEIRO, Yara Nogueira (Org). História da hanseníase no Brasil: silêncio e segregação. São Paulo: Intermeios. 2019.

Downloads

Publicado

20-07-2021

Como Citar

PIMENTEL FRANCO, S.; MENEZES LIMA, Z. M. A lepra no Ceará e no Espírito Santo (1920-1940): olhares e reflexões. Revista Ágora, [S. l.], v. 32, n. 1, p. e–2021320101, 2021. DOI: 10.47456/e-2021320101. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/34064. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Doenças e práticas de cura na História brasileira

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)