Corpos dissidentes e os sons do silêncio

reflexões sobre a música da branquitude na belle époque de Fortaleza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-20243505

Palavras-chave:

Belle Époque, música, branquitude

Resumo

Temos como objetivo debater a opressão sistêmica aos corpos dissidentes propagada na música da branquitude na Belle Époque de Fortaleza. Compreendemos, antes de mais nada, a Belle Époque como um discurso que opera dentro da lógica da colonialidade, impondo um padrão de dominação desenvolvido pela modernidade. Esse padrão incide na realidade dos corpos colocados em dissidência em relação às estruturas de poder e à branquitude enquanto uma racialidade historicamente construída como uma ficção de superioridade que beneficia material e simbolicamente pessoas brancas. Os documentos analisados são músicas registradas em partituras e discos de 78 rpm, além de correspondências, livros de música e periódicos. Refletimos sobre essas questões com base na leitura de autores do Giro Decolonial, dos Estudos Pós-Coloniais e dos Feminismos Interseccionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza Rios Martins, Universidade Aberta do Brasil UAB-UECE

Doutora em História - UFPE (2019), com bolsa CNPq; Mestre em História - UECE (2012), com bolsa CAPES; Especialista em História do Brasil - INTA (2009) e Graduada em História - UVA (2008). Leciona no curso de Graduação em História da UAB-UECE e Especialização em História do Brasil da UVA-IDJ. Participa do Grupo de Pesquisa DÍCTIS - Laboratório de Estudos e Pesquisa em História e Culturas e do Grupo de Pesquisa CORPUS - Grupo de Estudos e Pesquisas em História dos Corpos e das Sensibilidades, ambos vinculados ao CNPq. Coordena o GT de História Cultural da Anpuh-CE. Tem experiência na área de História, com ênfase em História e Música, Teoria e Metodologia da História e História da Historiografia.

Emílio Fernandes, Universidade Federal do Ceará - Secretaria de Educação do Estado do Ceará

Mestre em Ensino de História (ProfHistória-UFC); Especialista em História do Brasil (2015); Graduado em História (2011). Também possui formação em violoncelo pelo Conservatório Dramático e Musical de Tatuí-SP, com experiência em música de concerto (tanto de câmara quanto sinfônica) e ensino do instrumento. Como violoncelista, participou de várias orquestras pelo Brasil, como a da Universidade do Sagrado Coração (USC), Universidade Federal do Ceará (UFC), Orquestra de Câmara do SESI-CE, Orquestra Sinfônica de Tatuí, Orquestra Sinfônica Municipal de Botucatu e diversos grupos de música de câmara. Trabalhou como professor de música da classe de violoncelo e teoria musical, e como regente fundador da Orquestra de Câmara do Núcleo de Artes, Educação e Cultura da prefeitura do Eusébio. Tem experiência na área de pesquisa (com ênfase em História e Música) e no Ensino de História como professor da rede pública estadual do Ceará.

Referências

Fontes

A ÓPERA nacional. A Época Teatral, Rio de Janeiro, 27 dez. 1917. In: CORRÊA, Sérgio Alvim. Alberto Nepomuceno. Catálogo Geral. Rio de Janeiro: Funarte, 1996. p. 31.

NEPOMUCENO, A. Medroso de amor: op. 17º, n. 1. Voz e Piano. Paris: Manuscrito, 1894. 1 partitura. In: CORRÊA, Sérgio Alvim. Alberto Nepomuceno. Catálogo Geral. Rio de Janeiro: Funarte, 1996. p. 41-43.

O HYMMO do Tricentenário. A República, Fortaleza, 29 jul. 1903. p. 7.

RAMOS. R. A cozinheira. Intérprete: Mário Pinheiro, Rio de Janeiro, Casa Edison-Odeon, 108134, 1907-1912. 78 rpm.

RANGEL, B. Cabôcla, Piano, Fortaleza: Melografia Gilberto Petronillo, 1955. 1 partitura.

Obras Gerais

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Editora Jandaíra, 2019.

ANDRADE, M. Cândido Inácio da Silva e o lundu. Revista Brasileira de Música, Rio de Janeiro, v. 10, 1944.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG, 1998.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004

BENTO, M. A. S. Branquitude: o lado oculto do discurso sobre o negro. In: BENTO, M. A. S.; CARONE, I. (orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 147-162.

CASTRO-GÓMEZ, S. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 87-95.

CAVALCANTE, F. H. B. O Brasil e o Ceará: as notas de viagem de Freire Alemão e Capanema e suas impressões sobre o Ceará. 2013. Dissertação (Mestrado em História e Culturas) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2013.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. São Paulo: Veneta, 2020.

COLLINS, P.; BILGE, S. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2021.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

ELÍBIO JR., A. M. et al. Provincializar a Europa: a proposta epistemológica de Dipesh Chakrabarty. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, [s. l.], v. 7, n. 13, p. 61-79, jul. 2015. DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v7i13.303

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Ed. UFBA, 2008.

FERNANDES, E. A. História, música e decolonialidade: possibilidades no ensino de História do Ceará. 2023. Dissertação (Mestrado em Ensino de História) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2023.

FERREIRA SOBRINHO, J. H. “Catirina, minha nêga, tão querendo te rice…”: escravidão, tráfico e negócios no Ceará do século XIX (1850-1881). Fortaleza: SECULT/CE, 2011.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria E. Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

FREYRE, G. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Editora Global, 2006.

GALENO, J. Lendas e canções populares. 5. ed. Fortaleza: Secult, 2010.

GOMES, A. L. Cultura popular nos arquivos de Mário de Andrade: “Na pancada do Ganzá” e os Fundos Villa-Lobos. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 39, n. 66, p. 164-186, 2014. DOI: https://doi.org/10.17058/signo.v39i66.4644

GONDIM, Z. Traços ligeiros sobre a evolução da música no Brasil em especial no Ceará. In: COMMEMORANDO o tricentenario da vinda dos primeiros portugueses ao Ceará: 1603-1903. Fortaleza: Typographia Minerva, 1903.

GONZALEZ, L. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio Janeiro: Zahar, 2020.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: HOLANDA, H. B. Pensamento feminista brasileiro: interseccionalidades pioneiras do feminismo negro brasileiro. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 223-244.

GUHA, Ranajit. History at the limit of world-history. New York: Columbia University Press, 2002.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HERDER, J. G. Ideas para una filosofia de la historia de la humanidade. Buenos Aires: Editorial Losada, 1959.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

LUGONES, M. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 52-83.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre a colonialidade do ser. Rio de Janeiro: Editora Via Verita, 2022.

MARTINS, A. L. R. As ressignificações da cultura popular na obra da compositora Branca Rangel. Revista de História Bilros, Fortaleza, v. 1, p. 44-56, 2014.

MARTINS, A. L. R. Entre o piano e o violão: a modinha e a cultura popular em Fortaleza (1888-1920). 2012. Dissertação (Mestrado em História e Culturas) – Universidade Federal Estadual do Ceará, Fortaleza, 2012.

MIGNOLO, W. A geopolítica do conhecimento e a diferença colonial. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 48, n. 48, p. 187-224, 2020. DOI: https://doi.org/10.24140/issn.1645-7250.rle48.12

RAMOS, G. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SCHWARCZ, L. O espetáculo das raças. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2018.

Downloads

Publicado

13-05-2024

Como Citar

RIOS MARTINS, Ana Luiza; ALBUQUERQUE FERNANDES, Emílio. Corpos dissidentes e os sons do silêncio: reflexões sobre a música da branquitude na belle époque de Fortaleza. Revista Ágora, Vitória/ES, v. 35, p. e-20243505, 2024. DOI: 10.47456/e-20243505. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/42132. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Modernismos no Brasil ao longo do século XX