A atuação de João de Abreu Castelo Branco na disputa pelo cacau no Cabo do Norte (1739-1747)

Autores

  • André José Santos Pompeu Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2021320205

Palavras-chave:

Cacau, Cabo do Norte, Relações de Poder

Resumo

O presente trabalho trata da disputa em torno do cacau coletado nas ilhas presentes nos rios da região conhecida como Cabo do Norte, localizada na Capitania do Grão-Pará. Essa disputa, que envolveu o governador do Estado do Maranhão, João de Abreu Castelo Branco, e o Senado da Câmara de Belém, serve como um exemplo da disputa entre os poderes locais e o representante do poder régio sobre a principal atividade econômica do Estado, que foi abalada por uma proibição, feita pelo governador Castelo Branco, para que os moradores não coletassem o cacau da referida região. Desse modo, o presente texto versa sobre essas relações de poder, em torno da hegemonia de um grupo sobre a principal atividade econômica da Amazônia portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO, Avulsos do Pará, Cx. 19, 21, 23, 25, 26, 27, 28, 80.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, Secretaria da Capitania, Códices 25 e 32.

BETTENDORFF, João Filipe. Crônica da missão dos padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. Brasília: Edições do Senado Federal, 2010.

Coleção sistemática das leis militares de Portugal. Dedicada ao príncipe regente Nosso Senhor e publicada por ordem do mesmo senhor. Tomo II. Lisboa: Impressão Régia, 1816.

Obras Gerais

ALDEN, Dauril. “The significance of cacao production in the Amazon Region during the late colonial period: an essay in comparative economic history.”. Proceedings of the American Philosophical Society, vol. 120, nº 2, 1976, p. 103-135.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

AZEVEDO, João Lúcio de. Os Jesuítas no Grão-Pará: suas missões e a colonização. Lisboa: Tavares Cardoso, 1901.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. As Câmaras ultramarinas e o governo do Império. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima. (Org.). O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, p. 189-221.

BOMBARDI, Fernanda Aires. Pelos interstícios do olhar do colonizador: descimentos de índios no Estado do Maranhão e Grão-Pará (1680-1750). Dissertação (Mestrado em História), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

BOREGO, Maria Aparecida de Menezes; ANDRADE, Bernardo Luís Rodrigues de; et. al. “Trajetória e reconstituição digital de uma canoa do Museu Paulista-USP”. In: Anais do Museu Paulista, vol. 27, 2019, pp. 1-40.

BOXER, Charles R. O império marítimo português (1415-1825). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

CARDOSO, Alírio. Insubordinados, mas sempre devotos: poder local, acordos e conflitos no antigo Estado do Maranhão (1607-1653). Dissertação (Mestrado em História), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

CARDOSO, Ciro Flamarion S. Economia e sociedade em áreas coloniais periféricas: Guiana Francesa e Pará (1750-1817). Rio de Janeiro: Graal, 1984.

CARREIRA, António. A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão: O comércio intercontinental Portugal-África-Brasil na segunda metade do século XVIII. Vol. 1. São Paulo: Editora Nacional, 1988.

CHAMBOULEYRON, Rafael. “’Como se hace en Indias de Castilla’: El cacao entre la Amazonía portuguesa y las Indias de Castilla (siglos XVII y XVIII)”. Revista Complutense de História da América, v. 40, 2014, p. 23-43.

CHAMBOULEYRON, Rafael. “’Duplicados clamores’. Queixas e rebeliões na Amazônia colonial (Século XVII)”. Projeto História, n° 33, 2006, p. 159-178.

CHAMBOULEYRON, Rafael. “Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Pará (século XVII e início do século XVIII)”. Revista Brasileira de História, vol. 26, 2006, p. 79-114.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Povoamento, ocupação e agricultura na Amazônia colonial (1640-1706). Belém: Açaí, 2010.

CRUZ, Ernesto Horácio da. História de Belém. Volume I. Belém: EdUFPA, 1973.

DIAS, Camila Loureiro. L’ Amazonie avant Pombal: Politique, Économie, Territoire. Tese (Doutorado em Histoire et Civilisations), Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, Paris, 2014.

DIAS, Manuel Nunes. A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778). São Paulo: EdUSP, 1971.

FARAGE, Nádia. As muralhas dos sertões: os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. “O império em apuros. Notas para o estudo das alterações ultramarinas e das práticas políticas no império colonial português. Séculos XVII e XVIII”. In: FURTADO, Júnia. (Org.). Diálogos oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português. Belo Horizonte: EdUFMG, 2001.

FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima; BICALHO, Maria Fernanda Baptista. Uma leitura do Brasil colonial: bases da materialidade e da governabilidade no império. Penélope, nº 23, 2000, p. 67-88.

HURLEY, Henrique Jorge. “O progresso do Pará”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, Vol. XI, 1938.

MARTINS, Diego de Cambraia. A Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão e os grupos mercantis no império português (1755-1787). Tese (Doutorado em História Econômica), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

MAURO, Fréderic. Portugal, Brasil e o Atlântico (1570-1670). Lisboa: Estampa, 1989.

MEIRA FILHO, Augusto. Evolução histórica de Belém do Grão-Pará: fundação e história. Belém: Grafisa, 1960.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (Séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Cia das Letras, 2011.

REIS, Arthur Cézar Ferreira. A política de Portugal no vale Amazônico. Belém: Secretaria de Estado de Cultura, 1993.

RUSSELL-WOOD, John. A base moral e ética do governo local no Atlântico luso-brasileiro durante o Antigo Regime. In: VENÂNCIO, Renato Pinto; GONÇALVES, Andréa Lisly; CHAVES, Cláudia Maria das Graças. (Org.). Administrando impérios: Portugal e Brasil nos séculos XVIII e XIX. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

RUSSELL-WOOD, John. The portuguese empire: a world on move (14715-1808). Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1998.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Governadores e capitães-generais do Estado do Maranhão e Grão-Pará: apontamentos sobre qualidade social e trajetórias (1642-1701). In: SANTOS, Fabiano Vilaça dos; RIBEIRO, Mônica da Silva (Org.). Impérios Ibéricos no Antigo Regime: governo, agentes e dinâmicas políticas e territoriais. Belo Horizonte: Fino Traço, 2019.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Governadores e capitães-generais do Estado do Maranhão e Grão-Pará e do Estado do Grão-Pará e Maranhão (1702 a 1780): trajetórias comparadas. Crítica Histórica, n 16, 2017, p. 41-63.

SILVA, Kalina Vanderlei P. da. O miserável soldo & a boa ordem da sociedade colonial. Militarização e marginalidade na Capitania de Pernambuco dos séculos XVII e XVIII. Recife: Fundação Cultural do Recife, 2001.

SIMONSEN, Roberto. História Econômica do Brasil (1500-1820). 4ª Ed. Brasília: Edições do Senado Federal, 2005.

VIANA, Wania Alexandrino. A “gente de guerra” na Amazônia colonial. Composição e mobilização de tropas pagas na Capitania do Grão-Pará (primeira metade do século XVIII). Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia), Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

Downloads

Publicado

15-09-2021

Como Citar

SANTOS POMPEU, A. J. A atuação de João de Abreu Castelo Branco na disputa pelo cacau no Cabo do Norte (1739-1747). Revista Ágora, [S. l.], v. 32, n. 2, p. e–2021320205, 2021. DOI: 10.47456/e-2021320205. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/35947. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Os Governos do Império: Vice-reis, governadores e capitães-mores no mundo portug