ANÁLISE DE VIABILIDADE DA MANUTENÇÃO DE ESTRADAS COM SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE PISO: APLICAÇÃO DO HDM-4 NA RODOVIA BR 010 / MA

FEASIBILITY ANALYSIS OF ROADS MAINTENANCE WITH SOFTWARE FOR FLOOR MANAGEMENT: APPLICATION OF HDM-4 ON HIGHWAY BR 010 / MA

Autores

  • Marlice Magalhães Ramos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes
  • André Luís de oliveira Cavaignac Universidade CeumaUnversidade Federal do Maranhão
  • José Manuel Mayor Gonzalez Instituto Politécnico da Guarda

Palavras-chave:

Rodovias; Gestão; Pavimento; Conservação; Manutenção.

Resumo

O momento oportuno para as intervenções, com processo racional de seleção dos trechos prioritários, gera uma alocação de investimentos eficaz, priorizando manutenções preventivas e pequenas correções e trazendo benefícios para toda a sociedade. Para este fim se fez uso do Sistema de Gerência de Pavimentos (SGP) como ferramenta para melhor monitorar e administrar recursos para a infraestrutura rodoviária, em especial na Rodovia Federal BR-010/MA, segmento km 260,8 ao km 319,8. Identificaram-se as anomalias existentes no segmento em estudo, relatando as causas do seu surgimento. Em seguida, através do SGP, propôs-se uma solução para a correção dos problemas encontrados, buscando o melhor custo benefício. Quanto à situação do pavimento, observou-se que o fato de ter ficado sem contrato de manutenção por cinco meses, no período chuvoso da região, acelerou o processo de deterioração, comprovando a necessidade de uma política continuada de investimentos e uma gestão eficaz dos recursos públicos e corroborando a hipótese de implantação do SGP para se ter interferências no momento adequado, gerando menor gasto aos cofres públicos, aos usuários da rodovia e aos consumidores finais por reduzir o custo dos fretes. Além de menor impacto ao meio ambiente. A alternativa que apresenta a melhor Taxa Interna de Retorno – TIR (Internal Rate of Return) é o CREMA 2. No primeiro trecho a TIR é de 288,2, sendo 68% maior que a Restauração e 107% maior que a Reconstrução. No segundo trecho a TIR é de 388,6, sendo 72% maior que a Restauração e 198% maior que a Reconstrução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlice Magalhães Ramos, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual do Maranhão (1998). Especialista em Construções Civis pela Faculdade de Tecnologia de Alagoas. MBA Executivo em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão pela FGV. Atualmente é Analista em Infraestrutura de Transportes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, sendo Chefe de Serviço da Unidade Local de Imperatriz (MA). Especialista em Construções Civis. Especialista em Administração de Empresas com ênfase em Gestão. Analista em Infraestrutura de Transportes do DNIT. Chefe da Unidade Local de Imperatriz – MA.

André Luís de oliveira Cavaignac, Universidade CeumaUnversidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Federal do Maranhão (2011), Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Faculdade Pitágoras (2013), Mestrado em Ciência dos Materiais pela Universidade Federal do Maranhão (2015), Doutorando em Ciência dos Materiais pela Universidade Federal do Maranhão (2019 - ). Tem experiência em espectroscopia Raman, difração de Raios-X e caracterização térmica (TG, DSC e DTA), com publicações em congressos e periódicos internacionais. Também possui experiência na indústria de transformação química como gerente industrial e responsável técnico, com ênfase em Operações Unitárias e Fenômenos de Transporte, e Engenharia de segurança do trabalho. Atualmente atua como professor dos cursos de engenharia da Universidade Ceuma - Campus Imperatriz.

José Manuel Mayor Gonzalez, Instituto Politécnico da Guarda

Doutor em Engenharia Civil pela Universidade do Minho (Portugal).  Professor Adjunto da Unidade Curricular de Projecto de Engenharia - Modulo de Vias - do Instituto Politécnico da Guarda – Portugal.

Referências

Aramayo, L. S. J., Fontenele C.A.P. (2019). Escala visual para evaluación de pavimentos urbanos: uma validación em oficina. Revista Ingeniería de Construción. 34(1). Santiago, Abril 2019. Disponível em https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=50718-508. Acesso em 23/04/2020.

BRASIL (2005). Manual de Conservação Rodoviária. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Diretoria de Planejamento e Pesquisa, Coordenação Geral de Estudos e Pesquisa, Instituto de Pesquisas Rodoviárias, 2 ed., 564p.

BRASIL (2011). Manual de Gerência de Pavimentos. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Diretoria Executiva, Instituto de Pesquisas Rodoviárias, 189p.

BRASIL (2003). Norma DNIT 007/2003-PRO - Levantamento para avaliação da condição de superfície de subtrecho homogêneo de rodovias de pavimentos flexíveis e semirrígidos para gerência de pavimentos e estudos e projetos, Procedimento. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Diretoria de Planejamento e Pesquisa, Coordenação Geral de Estudos e Pesquisa, Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

BRASIL (2003). Norma DNIT 008/2003-PRO - Levantamento visual contínuo para avaliação da superfície de pavimentos flexíveis e semirrígidos, Procedimento. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Diretoria de Planejamento e Pesquisa, Coordenação Geral de Estudos e Pesquisa, Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

BRASIL (2003). Norma DNIT 009/2003-PRO”, Avaliação subjetiva da superfície de pavimentos flexíveis e semirrígidos para gerência de pavimentos e estudos e projetos, Procedimento - Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Diretoria de Planejamento e Pesquisa, Coordenação Geral de Estudos e Pesquisa, Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

Fonseca, L.F.S., (2013). Análise das soluções de pavimentação do programa CREMA 2ª etapa do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Projeto aplicado (mestrado), UFRJ/COPPE/Programa de Engenharia Civil, 226p.

Lakatos, E.M, Marconi, M.A., (2003). Fundamentos da metodologia científica, Atlas. São Paulo-SP.

Macea-Mercado, L.F., Morales, L. Márquez-Díaz, L.G. (2016). Un Sistema de Gestión de Pavimentos basado em nuevas tecnologias para países em vía de desarollo.” Revista Ingeniería, Investigación y Tecnología. 17(2). México abr/jun 2016. Disponível em http://www.scielo.org.mix/scielo.php?script=arttext&pid=S1405-7. Acesso em 23/04/2020.

Meza López, J.M, (2010). Modelagem do trincamento de misturas asfálticas pelo método dos elementos discretos. Projeto aplicado (mestrado), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia Civil, 114p.

Ramos, M.M, (2018). Gerenciamento de pavimentos flexíveis – acompanhamento de um caso real de estudo: Rodovia BR 010/MA. Projeto aplicado (mestrado), Instituto Politécnico da Guarda, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, 206p.

Publicado

2020-06-01

Como Citar

Magalhães Ramos, M., Cavaignac, A. L. de oliveira, & Mayor Gonzalez, J. M. . (2020). ANÁLISE DE VIABILIDADE DA MANUTENÇÃO DE ESTRADAS COM SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE PISO: APLICAÇÃO DO HDM-4 NA RODOVIA BR 010 / MA : FEASIBILITY ANALYSIS OF ROADS MAINTENANCE WITH SOFTWARE FOR FLOOR MANAGEMENT: APPLICATION OF HDM-4 ON HIGHWAY BR 010 / MA . Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(3), 75–87. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/28919

Edição

Seção

ENGENHARIA ECONÔMICA - ECONOMIC ENGINEERING

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)