CURRICULARIZAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA

CURRICULARIZATION OF UNIVERSITY EXTENSION: A BIBLIOMETRIC ANALYSIS

Autores

  • Carla Viviane Novais Cabral de Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo - UFES/CEUNES
  • Marielce de Cássia Ribeiro Tosta Universidade Federal do Espírito Santo - UFES/CEUNES
  • Rodrigo Randow de Freitas Universidade Federal do Espírito Santo - UFES/CEUNES

Palavras-chave:

Extensão Universitária; Creditação Curricular; Graduação; Gestão Pública.

Resumo

As atividades de extensão nas universidades brasileiras existem desde 1911 baseadas em prestação de serviços. Desde então existe um compromisso por parte de docentes, discentes e da sociedade civil organizada de se ter um sólido compromisso social da universidade com a sociedade. Com esta finalidade foi instituída a Lei nº. 5.540/68; o Fórum de Pró-Reitores; a Constituição Federal (1988) e a Política Nacional de Extensão (2012). Apesar destas tentativas a extensão ainda não possui na tríade (ensino, pesquisa e extensão) a mesma importância na formação acadêmica nos cursos de graduação. Desta forma, de modo a minimizar este problema, o Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024, instituiu que devem ser creditados no currículo dos cursos “[...] no mínimo, 10% (dez por cento) do total de créditos curriculares exigidos para a graduação em programas e projetos de extensão universitária”. Assim, o objetivo deste artigo foi realizar uma análise bibliométrica sobre o cumprimento desta estratégia. A análise foi realizada com base em pesquisa bibliográfica e dados secundários por meio de consulta ao banco de teses e dissertações da CAPES; revistas de extensão e trabalhos publicados em anais de eventos. Segundo a análise bibliométrica pode-se concluir que há pouca contribuição relacionada à temática e que a creditação traz consigo uma série de reflexões conceituais sobre extensão, bem como o fato de ser um desafio para as instituições de Educação Superior. Achados indicam que cada instituição deve escolher a melhor estratégia de trabalho de acordo com o nível de conhecimento e envolvimento da comunidade acadêmica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marielce de Cássia Ribeiro Tosta, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES/CEUNES

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Viçosa (2001), mestrado em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (2003) e doutorado em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (2007). Atualmente é professora da Universidade Federal do Espírito Santo - CEUNES e trabalha com temas relacionados a engenharia econômica, engenharia de sustentabilidade e economia do setor público. É tutora do grupo PET ProdBio desde 2013. Nesta instituição foi coordenadora do curso de Engenharia de Produção nos períodos de 11/2011 a 09/2013 e 03/2015 a 08/2016.

Rodrigo Randow de Freitas, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES/CEUNES

Atualmente Professor Adjunto do curso de Engenharia de Produção em regime de dedicação exclusiva da Universidade Federal do Espírito Santo no campus São Mateus, E.S. / UFES-CEUNES (2015). Doutor pelo programa de Pós-Graduação em Aquacultura pela Fundação Universidade Federal de Rio Grande (FURG) em 2011; Mestrado em Aquacultura pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006); Especialização em Educação e Gestão Ambiental (Faculdade Saberes - 2003); e Graduação em Administração de Empresas: ênfase em análise de sistemas (Faculdade de Ciências Humanas de Vitória - 2001). Experiência na área de Gestão Ambiental e Gerenciamento Costeiro, Gestão de processos e produtos, análise de cadeias produtivas e Planejamento Estratégico. Em especial para a área de Engenharia, destacam-se diversos artigos, resumos e projetos executados e em andamento, citemos por exemplo, os projetos: Produção de biomassa microalgal e extração de bio-óleo; Chamada CNPq/VALE 05/2012 -Forma-Engenharia; Chamada Pública MCTI/CNPq/SPMPR/Petrobrás 18/2013 - Meninas e Jovens/FAPES; Estudo de viabilidade econômica da pirólise de casca de macadamia, dentre outros. (Texto informado pelo autor)

Referências

Almeida, L. L. de; Araújo, M. A. M. de & Guerreiro, M. R. (2012). Extensão Universitária no Ensino Superior: o diferencial na qualidade acadêmica. In: Conferência do Fórum da Gestão do Ensino Superior nos países e regiões de Língua Portuguesa. Recuperado de http://aforges.org/conferencia2/05documentos.html.

Andrade, R. M. M.; Morosini, M. C. & Wiebusch, E.M. (2018). Desafios Contemporâneos da Extensão universitária: invisibilidade a curricularização. In: X Congresso Ibero americano de Docência Universitária – X CIDU.

Benetti, P. C.; Souza, A. I. & Souza, Maria H. do N. (2015). Creditação da extensão universitária nos cursos de graduação: relato de experiência. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 6(1), 25-32.

Borghezan, J. M.& Giassi, M. G. (2018). Limites e possibilidades da curricularização da extensão em uma Universidade do Extremo Sul Catarinense. Cataventos – Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta, 10(1), 85-102.

BRASIL. (2001). Lei nº. 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em: 16 dez. 2019.

BRASIL. (2014). Lei nº. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 16 dez. 2019.

BRASIL. (2018). Resolução nº. 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº. 13.005/2014 que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024 e das outras providências. Disponível <http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/55877808>. Acesso em: 16 dez. 2019.

Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: 1988.

Carneiro, P. C. O.; Collado, D. M. S. & Oliveira, N. F. C. (2014). Extensão universitária e flexibilização curricular na UFMG. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, 2(3), 4-26.

Carvalho, A. A.de; Fontes, M. B. & Araújo, E. A.T. (2012). Análise de conteúdo e bibliométrica dos artigos publicados na revista Oikos nos últimos 10 anos. Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica, 23(2), 3-29.

Chiavenato, I. & Sapiro, A. (2003). Planejamento Estratégico: fundamentos e aplicações (1. ed. 13° tiragem). Rio de Janeiro: Elsevier.

Chueke, G. V. & Amatucci, M. (2015). O que é bibliometria? Uma introdução ao fórum. Internext, 10(2), 1-5.

Cortez, J.; Darroz, L. M.; Rosa, C. T. W.; Giacomelli, A. C.; Rosa, A. B.; Pérez, C. A. S.; Spalding, L. E. S.; Cavalcanti, J.; Bizus, M. O. & Silva, M. (2019). A curricularização da extensão no curso de licenciatura em física da universidade de Passo Fundo. Revista Conexão UEPG, 15(2), 165-171.

Costa, W. N. G. (2019). Curricularização da extensão: o desafio no contexto das licenciaturas. Revista Panorâmica online, 2.

Cunha, L.S. (2002). Extensão universitária brasileira: as tensões das propostas acadêmicas. In: De Melo Neto, José Francisco et al. Extensão Universitária - diálogos populares (1. ed.) Pernambuco: Editora Universitária.

Dalla Corte, M. G.; Gomez, S. R. M. & Rosso, G. P. (2018). Creditação da extensão universitária no currículo dos cursos de graduação: estado do conhecimento. Políticas Educativas – PolEd, 11(2), 17-36.

Dalmolin, B. M. & Hertzog V. A. J. (2015). Curricularização da Extensão: Potências e Desafios no Contexto da Gestão Acadêmica. In: Congresso Nacional de Educação. Recuperado de http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/20159_9517.pdf.

de Deus, S. D. F. B. (2018). A extensão universitária e o futuro da universidade. Revista Espaço Pedagógico, 25(3), 624-633.

De Paula, J. A. (2013). A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, 1(1), 5-23.

Fagundes, M. N. A. (2018). (Des) continuidade de programas sociais em organizações públicas de ensino superior: o caso do programa vizinhança na UFPel. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Fros, C. L. R. (2017). Curricularização da extensão: sugestões para a implantação no curso de administração da Unipampa. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras (2007).

Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. (2012).

Gadotti, M. (2017). Extensão universitária: para quê? São Paulo: Instituto Paulo Freire.

Imperatore, J. L. R.; Imperatore, S. L. B. & Pedde, V. (2015). Curricularizar a extensão ou extensionalizar o currículo? Aportes teóricos e práticas de integração curricular da Extensão ante a estratégia 12.7 do PNE. In: Colóquio Internacional de Gestão Universitária – CIGU.

Imperatore, S. L.B. & Pedde, V. (2015). “Curricularização” da Extensão Universitária no Brasil: questões estruturais e conjunturais de uma política pública. In: XIII Congresso latinoamericano de Extensión Universitaria. Havana.

Junior, C. M., de Souza, M. T. S., dos Santos Parisotto, I. R., & Palmisano, A. (2016). As leis da bibliometria em diferentes bases de dados científicos. Revista de Ciências da Administração, 18(44), 111-123.

Marins, C. M. de O. (2016) A avaliação do guia de creditação da extensão universitária na UFRJ. 2016. Dissertação de mestrado, Faculdade Cesgranrio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Martins, J. (2016). Extensão Universitária como Prática Educomunicativa: contribuições para a flexibilização de Projetos Pedagógicos. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 39. São Paulo. Anais eletrônicos. Recuperado de http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0400-1.pdf.

Neto, J. F. M. (2002). Extensão universitária: bases ontológicas. In:__. Extensão Universitária - diálogos populares (1. ed.). Pernambuco: Editora Universitária, cap. 1, p. 7-22.

Pereira, N. F. F. & Vitorini, R. A. S. (2019). Curricularização da extensão: desafio da educação superior. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, 7(1), 19-29.

Resende, M. C. F.; Albuquerque, L. M. de; Moreira, T. R. & Borges, B. K. N. O. (2017). A curricularização das práticas de extensão na PUC Minas. Conecte-se! Revista Interdisciplinar de Extensão, 1(2), 88-103.

Ribeiro, M. R. F.; Mendes, F. F. F. & Silva, E. A. (2018). Curricularização da extensão em prol de uma universidade socialmente referenciada. Revista Conexão UEPG, 14(3), 334-342.

Rios, S. C., & Corbellini, V. L. (2019). Curricularização da Extensão Universitária PUCRS. In IX SIEPEX-IX Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Santos, A. P. F. dos. (2017). Curricularização da Extensão: Projeto Comunitário nos cursos de Graduação do Centro Universitário – Católica de Santa Catarina em Jaguará do Sul. Dissertação de mestrado, PUC-São Paulo, SP, Brasil.

Santos, M., Cardoso, M. C., Uggioni, P. P., & Rodrigues, C. D. O. (2019). Curricularização da Extensão: primeiros passos do Câmpus Criciúma. Caminho Aberto: Revista de Extensão do IFSC, (10).

Santos, B. de S. (2004). A Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade (3. ed.). São Paulo: Cortez.

Silva, K. C., & Kochhann, A. (2018). Tessituras entre concepções, curricularização e avaliação da extensão universitária na formação do estudante. Revista Espaço Pedagógico, 25(3), 703-725.

Steigleder, L. I., Zucchetti, D. T., & Martins, R. L. (2019). Trajetória para curricularização da extensão universitária: contribuições do fórum nacional de extensão das universidades comunitárias-FOREXT e a definição de diretrizes nacionais. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 10(3), 167-174.

Teleginski, D. E. & Alegre, L. M. P. (2014). A Curricularização da extensão nos cursos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. In: Seminário de Extensão e Inovação da UTFPR – 4º SEI-UTFPR.

Timm, U. T. (2018). A curricularização da extensão universitária: possibilidades em um curso de matemática licenciatura. Dissertação de Mestrado. Universidade Luterana do Brasil, Canoas, RS, Brasil.

Tomaz, M. H., & Santos, A. B. (2017). Políticas educacionais e a curricularização da extensão universitária. Colóquio Luso-Brasileiro de Educação-COLBEDUCA, 2.

Véras, R. M. & Souza, G. B. (2016). Extensão universitária e atividade curricular em comunidade e em sociedade na Universidade Federal da Bahia. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 7(2), 83-90.

Publicado

2020-07-25

Como Citar

Novais Cabral de Oliveira, C. V., Ribeiro Tosta, M. de C., & Randow de Freitas, R. . (2020). CURRICULARIZAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA: CURRICULARIZATION OF UNIVERSITY EXTENSION: A BIBLIOMETRIC ANALYSIS. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(2), 114–127. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/30835

Edição

Seção

GESTÃO PÚBLICA - PUBLIC MANAGEMENT