Conhecimentos e práticas de enfermeiros em Unidades Básicas de Saúde (UBS) sobre sífilis congênita em Redenção, Pará, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/rbps.v22i4.27863

Palavras-chave:

Sífilis congênita, Enfermagem, Conhecimento

Resumo

Introdução: A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum, altamente contagiosa, sendo transmitida pelo ato sexual desprotegido e de forma vertical durante a gestação. Objetivo: Avaliar o conhecimento dos enfermeiros que trabalham em Unidades Básicas de Saúde (UBS) sobre sífilis congênita (SC). Métodos: Estudo transversal quantitativo composto por 8 enfermeiros da cidade de Redenção, Pará, Brasil. Foi adotado um questionário estruturado sobre SC, permitindo caracterizar o perfil profissional de cada enfermeiro e o conhecimento deles sobre a prática clínica, o diagnóstico, tratamento, perfil epidemiológico e notificação da doença. Realizou-se análise estatística univariada por meio de distribuição de frequências. Resultados: Dentre os investigados, 87,5% pertencem ao sexo feminino. Constatou-se que a maioria teve acesso ao manual técnico do Ministério da Saúde, e 50% apresentaram conhecimento adequado quanto à situação epidemiológica da SC no País e no Município. Observou-se que 62,5% dos profissionais conhecem a forma de transmissão da doença baseada em seu estágio, porém esse número reduz quando se compara a idade gestacional. Mais de 50% dos participantes descreveram o momento correto em que devem ser realizados os testes sorológicos durante a gestação, porém não apresentaram conhecimento adequado sobre a classificação dos testes treponêmicos e não treponêmicos. Conclusão: Os enfermeiros das UBS não têm conhecimento adequado acerca do assunto, necessitando de um melhor embasamento científico para realizar tais ações. Dessa forma, para um bom desempenho, é necessária a implantação de sua capacitação técnica especialmente para atender as gestantes com sífilis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Juciele da Rocha, Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida - FESAR

Possui graduação em Biomedicina com habilitação em Análises Clínicas pelo Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo (2015) e mestrado em Bioquímica e Bioprospecção pela Universidade Federal de Pelotas (2016). Além disso, está realizando especialização em Análises Clínicas e Microbiológicas pelo Instituto Prominas. Atualmente é professora nos Cursos de Biomedicina, Enfermagem e Medicina da Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida (FESAR). Biomédica no laboratório do Hospital Regional Público do Araguaia desde Junho de 2019.

Bárbara Moreira Dias Costa, Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida - FESAR

Atualmente é estudante do 8º período do curso de bacharelado de Enfermagem na Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida (FESAR). Além disso, participa do programa de Iniciação Científica da instituição FESAR e foi membro do colegiado da mesma.

Douglas Mroginski Weber, Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida - FESAR

Possui Graduação em Biomedicina pelo Instituto de Ensino superior de Santo Ângelo IESA/ CNEC (2014), com habilitação em Análises Clínicas. Mestre em Ciências com área de concentração em Bioquímica e Bioprospecção pelo Programa de Pós-graduação em Bioquímica e Bioprospecção (PPGBBio) da UFPel que desenvolve pesquisas voltadas ao estudo farmacológico e/ou toxicológico de nanocápsulas contendo Meloxicam e de moléculas bioativas (em especial moléculas orgânicas contendo Selênio). Possui especialização na Universidade Cândido Mendes no curso de Hematologia. Docente da Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida - FESAR nos cursos de Biomedicina, Enfermagem e Medicina.

Referências

World Health Organization – International Agency for Research on Cancer [Internet]. Press Release nº 263. September, 2018 [acesso em 10 out 2018]. Disponível em: URL: <http://www.who.int/cancer/PRGlobocanFinal.pdf>

Bonuel N. Perception of health and health practices of five Filipino elders. J Nurs Educ Pract. 2018; 8(5):68-75.

Batistela C. Abordagens contemporâneas do conceito de saúde. In: Fonseca AF, Corbo AD, organizadores. O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV, Fiocruz; 2007. p. 51-86.

Petrie KJ, Weinman J. Why illness perception matters. Clin Med. 2006; 6(6):536-539.

Lunardi VL. Problematizando conceitos de saúde, a partir do tema da governabilidade dos sujeitos. Rev Gaucha Enferm. 1999; 20(1):26-40.

Liamputtong P. Qualitative research methods. London: Oxford University Press, 2013.

Esteves A, Roxo J, Saraiva MC. The lived experience of people with progressive advanced cancer. Br J Nurs. 2015; 24(10):15-21.

Giovanni G. A questão dos remédios no Brasil: produção e consumo. São Paulo: Polis; 1980.

Almeida Filho N. O conceito de saúde: ponto-cego da epidemiologia? Ver Bras Epidemiol. 2000; 3(1-3):4-20.

Canguilhem G. O Normal e o Patológico. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2006.

Parvizi S, Hamzehgardeshi Z. Adolescents’ view of health concept and its risk factors: a literature review. Int J Adolesc Med Health. 2014; 26(3):351–359.

Morés FB, Silveira, E. Desvelando a concepção de saúde em um grupo de crianças inseridas em atividades de promoção da saúde. , Saúde Debate. 2013; 37(97): 241-250.

Rezende JM. Afecção, doença, enfermidade, moléstia. Rev Patol Trop. 2014; 43(3): 385-388.

Wegner W. Concepções de saúde de mulheres cuidadoras leigas: estratégias à sua promoção da saúde. Porto Alegre. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007.

Downloads

Publicado

14.06.2021

Como Citar

da Rocha, M. J., Costa, B. M. D., & Weber, D. M. (2021). Conhecimentos e práticas de enfermeiros em Unidades Básicas de Saúde (UBS) sobre sífilis congênita em Redenção, Pará, Brasil. Revista Brasileira De Pesquisa Em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(4), 38–45. https://doi.org/10.47456/rbps.v22i4.27863

Edição

Seção

Artigos Originais