“Nêga qui tu tem? Marimbondo sinhá!”

religião afro amazônica e o modernismo de Bruno de Menezes da década de 1920.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-20243507

Palavras-chave:

Modernismo, Bruno de Menezes, Amazonas, batuque

Resumo

Com o presente trabalho analisamos um poema de Bruno de Menezes, modernista da Amazônia, escrito na década de 1920. Este poema é analisado pela historiografia e pela crítica literária como uma “festa” de negros em que se tem a percepção de características afro-brasileiras. Entretanto, nossa proposta vai no sentido de compreender a narração do episódio enquanto “ritual” espiritual ou religiosidade afro amazônica que contempla características católicas, de religiões de matrizes africanas e de matrizes indígenas. Assim, por meio da reconstrução do episódio não enquanto pessoas dançantes, mas pessoas em transe, compreendemos melhor a cultura, as relações de poder e identitárias deste negro amazônico representado pelo autor. Para isso, reconstruiu-se a biografia do autor, compreendeu-se sua rede de sociabilidade e analisou-se o poema à luz da realidade amazônica da década de 1920.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heraldo Márcio Galvão Júnior, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

Professor Adjunto da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (onde também atua como Vice-Diretor da Faculdade de História (FHT)), do Programa de Pós-Graduação em Ensino de História (PROFHISTÓRIA) do Instituto de Estudos do Trópico Úmido e do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIST) do Insituto de Ciências Humanas da UNIESSPA. Graduado (bolsa FAPESP e CNPQ) e mestre (bolsa CAPES) em História pela Universidade Estadual Paulista (UNESP, 2009; 2013) e doutor em História pela Universidade Federal do Pará (bolsa CAPES), com estágio (bolsa PDSE) na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris (UFPA; EHESS, 2020). Sua área de interesse procura conexões entre a história cultural, história social, história da educação, ensino de história, literatura e o ensaio crítico. Dedica-se ao estudo das artes literárias em São Paulo e na Amazônia nos séculos XIX e XX, patrimônio histórico e história social da intelectualidade paulista e amazônica (séculos XIX-XX). É presidente do Núcleo Docente Estruturante do curso de História da Unifesspa e possui projetos de pesquisa e de extensão. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Arte e Literatura (Unifesspa/CNPq).

Welceli Cardoso Lustosa , Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

É graduada e bacharel pela Universidade Federal do Pará (UFPA), especialista em História e Cultura afro-brasileira, pela Faculdade Entre Rios do Piauí (FAERPI). Mestranda no Programa de Pós-graduação em Ensino de História (ProfHistória) pela Universidade do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA). Campus de Xinguara, turma 2022. Bolsista da CAPES.

Referências

Fontes

MENEZES, B. Arte Nova. Estado do Pará, 13 fev. 1920.

MENEZES, B. Batuque. Festa: mensário de pensamento e arte. Rio de Janeiro, 15 jun. 1928.

MENEZES, B. Batuque. Belém: Secretária de Estado e Cultura, 2005.

MENEZES, B. Obras completas de Bruno de Menezes. Belém: Secretaria Estadual de Cultura, 1993.

Obras Gerais

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. de M. (org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996. p. 183-191.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006. CASTRO, M. N. R. Memórias de uma velha cidade: a representação histórico-social de Belém pós-Belle Époque em crônicas de Campos Ribeiro. 2011. Dissertação (Mestrado em Letras Estudos Literários) – Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 173-191, abr. 1991. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010

COELHO, M. O. O Grupo dos novos (1946-1952): memórias literárias de Belém do Pará. Belém: EDUFPA, 2005.

CORRÊA, A. T. O. História, cultura e música em Belém: décadas de 1920 e 1940. 2010. Tese (Doutorado em História) ‒ Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

FIGUEIREDO, A. M. In: Geração peixe frito, 2019. Direção de Paulo Nunes e Vânia Torres. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QWhV5xpegPU Acesso em: 16 nov. 2023.

FIGUEIREDO, A. M. Eternos modernos: uma história social da arte e da literatura na Amazônia, 1908-1929. 2001. Tese (Doutorado em História Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

GRECO, G. L. História e Literatura: entre narrativas literárias e históricas, uma análise através do conceito de representação. In: Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 39-53, jul. 2014.

LARÊDO, Salomão. Geração Peixe Frito ou Academia do Peixe Frito. Belém: [s. n], 2012.

LEAL, A. Geração peixe frito. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QWhV5xpegPU Direção Acesso em: 1 dez. 2023.

LEENHARDT, J; PESAVENTO, S. J. Discurso histórico e narrativa literária. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

NUNES, P.; COSTA, V. M. T. Academia do Peixe Frito e outros Modernismos: narrar como artimanhas. Asas da Palavra (UNAMA), Belém, v. 19, p. 36-53, 2023.

NUNES, P. J. M; COSTA, V. M. T. Academia do Peixe Frito: diálogos e intersecções entre Literatura, Jornalismo e Ciências Sociais na Amazônia do século XX. In: Anais do Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, v. 40, 2016.

PEREIRA, C. S; SILVA, K. S.; AMIN, V. S. F.; NUNES, P. J. M. Belém e a Academiado Peixe Frito: fisiognomias em Bruno de Menezes e Dalcídio Jurandir. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, Belém, v. 14, n. 3, p. 1.025-1.043, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1981.81222019000300017

PEREIRA, E. S. Academia do Peixe Frito: presença da intelectualidade no cotidiano popular. Asas da Palavra, Belém, v. 15, n. 1, p. 41-48, jul. 2018. DOI: https://doi.org/10.17648/1415-7950-v15n1-1081

PINTO, J. P. Do fingimento à imaginação moral: diálogos entre história e literatura. Tempo, Niterói, v. 26, n. 1, p. 25-42, jan./abr. 2020. Programa Rádio Web UFPA. Disponível em: https://radio.ufpa.br/wp-ontent/uploads/2019/02/UFPA%20PESQUISA%20-%20ACADEMIA%20DO%20PEIXE%20FRITO%20-%2011.04.19.mp3. Acesso em: 10 dez. 2023.

RODRIGUES, M. C. S. M. A poética afro-brasileira e amazônica em Batuque, de Bruno de Menezes. Revista de Letras da Universidade do Estado do Pará (UEPA), Belém, v. 1, n. 12, p. 22-38, jan./mar. 2018.

ROVAI, M. G. O. História Pública: um desafio democrático aos historiadores. In: REIS, T. S. et al. Coleção história do presente: volume II. Boa Vista: Editora da UFRR, 2020. p. 131-153.

SANTOS, A. A. A literatura de Carolina Maria de Jesus no ensino de história: uma sequência de atividades didáticas a partir da obra “Quarto de despejo”, 1960. 2020. Dissertação (Mestrado em História) ‒ Universidade Estadual do Paraná, Campo Mourão, 2020.

SANTOS, J. Identidade e erotismo em Batuque, de Bruno de Menezes. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

SANTOS, J; FURTADO, M. Batuque, de Bruno de Menezes: obra poética modernista antecipando a negritude. Littera: Revista de Estudos Linguísticos e Literários, [S. l.], n. 9, v. 16, 2018.

SEVCENKO, N. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

THOMPSON, P. A voz do passado: história oral. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

WANZELER, R. S. Peixe frito, Santos e Batuques: Bruno de Menezes em experiências etnográficas. 2018. Tese (Doutorado em Antropologia) ‒ Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2018.

Modernismo no Brasil ao longo do século XX

Downloads

Publicado

26-03-2024

Como Citar

GALVÃO JÚNIOR, Heraldo Márcio; CARDOSO LUSTOSA , Welceli. “Nêga qui tu tem? Marimbondo sinhá!”: religião afro amazônica e o modernismo de Bruno de Menezes da década de 1920. Revista Ágora, [S. l.], v. 35, p. e-20243507, 2024. DOI: 10.47456/e-20243507. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/43293. Acesso em: 17 maio. 2024.

Edição

Seção

Modernismos no Brasil ao longo do século XX